estudar, aprender, trabalhar

Com as escolas fechadas, as viagens de Erasmus canceladas e os encontros linguísticos sem espaço para existir, durante o confinamento o estímulo para a aprendizagem de novas línguas ficou a meio gás.

Foi neste contexto que o WordTips decidiu investigar quais os idiomas escolhidos pelas várias nacionalidades do mundo para serem estudados durante o confinamento, de maio de 2020 a maio de 2021. Quer conhecer os resultados?

América do Norte

A América do Norte é essencialmente dominada por alunos espanhóis e ingleses, mas as pessoas, em metade dos territórios, mostraram mais interesse em procurar aulas de espanhol online. Pode parecer estranho que os países da América do Norte de língua espanhola, como é o exemplo da Guatemala, tenham altas taxas de pesquisa, mas, apensar de o espanhol ser a língua oficial, mais de um milhão de guatemaltecos falam uma das 24 línguas indígenas locais.

O interesse pela língua japonesa nos Estados Unidos e Canadá tem crescido graças à cultura japonesa de anime e mangá, cada vez mais difundida nestes territórios.

América do Sul

Em seis dos doze Estados soberanos da América do Sul, o inglês foi a língua mais procurada para ser aprendida em casa, mas, na Argentina, o italiano domina. Quase dois terços dos argentinos são descendentes de italianos e muitos são conhecidos como “tanos”, gíria local para ‘italianos’.

Mais de um em cada mil peruanos pesquisou por aulas de coreano no ano passado. Apesar de estarem longe e terem culturas muito diferentes, a música pop coreana tornou-se popular na América Latina.

Europa

A procura por estudos de línguas foi mais intensa na Europa Oriental do que na Ocidental. A Ucrânia tem a maior taxa de pesquisa do mundo para o seu idioma nativo, uma vez que, embora a maioria dos ucranianos o fale como primeira língua, o russo acaba por ser a língua dominante.

Na Rússia, o idioma mais pesquisado foi o inglês, enquanto que os europeus ocidentais mostraram a sua tendência no estudo do inglês e espanhol. A melhor notícia vem da Suécia, cujo idioma de eleição foi o português.

Oriente Médio e Ásia Central

Esta região é dividida igualmente entre alunos de inglês e árabe. O árabe é a língua oficial de todos os países onde é mais estudado na região, no entanto, existem grandes comunidades de expatriados e culturas minoritárias em muitos países árabes, o que origina variações regionais da língua que podem levar a população local a procurar estudos mais aprofundados de árabe.

Resto da Ásia e Oceânia

O japonês é a língua mais popular para aprender na Austrália e na Nova Zelândia.

As escolas australianas geralmente ensinam japonês, promovendo cooperação e oportunidades de emprego em negócios, diplomacia e turismo.

A procura do inglês também é bastante predominante, acompanhando assim a tendência do resto do mundo.

África

A África o continente com mais países a quererem aprender francês. Os países africanos que procuram aulas deste idioma são, na sua maioria, ex-colónias francesas, como a Argélia, Marrocos, Botsuana, Quénia e Zâmbia.

Mais uma vez, predomina o gosto e a necessidade da aprendizagem da língua inglesa.

Artigo anteriorPorta Nova Collection House lança programa de verão “Pague 3…mas relaxe 4”
Próximo artigoOs 10 restaurantes mais reservados, segundo o TheFork

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor coloque aqui o seu comentário
Por favor coloque o seu nome aqui