O site britânico Money.co.uk decidiu encontrar as cidades mais saudáveis do mundo, através de um estudo apresentado pelo site ScandAsia. Para elaborar esta lista, primeiro decidiram quais eram os fatores a analisar: níveis de obesidade, expetativa de vida, custo da alimentação saudável, poluição, índice de segurança e número de horas de luz solar.

O estudo analisou, de acordo com estes sete fatores, todas as cidades do mundo para descobrir quais são as mais saudáveis para se viver e a capital portuguesa, Lisboa, e o Porto têm um lugar especial no índice.

Espanha: o país mais saudável do mundo

Espanha é oficialmente o país mais saudável do mundo, a ocupar o primeiro lugar na lista. Em Espanha, as pessoas seguem uma dieta mediterrânea composta por fontes saudáveis ​​de ômega-3, gorduras e proteínas, que estudos associaram a uma diminuição do risco de demência, doenças cardíacas e cancro – colocando o país entre os cinco primeiros com maior expetativa de vida.

Um estilo de vida mediterrâneo segue estes princípios fundamentais: refeições sociáveis, dieta equilibrada e ênfase nas caminhadas como meio de transporte, o que ajuda a reduzir as mortes causadas pela poluição. Descobriu-se que as refeições sociáveis ​​diminuem o risco de obesidade e também promovem o bem-estar mental. Ter um tempo dedicado para conectar-se com a família e amigos funciona como um impulsionador do humor, produz endorfinas e aumenta o bem-estar geral da população.

O povo da Espanha vive pelo ditado “Trabajamos para vivir, no vivimos para trabajar” que significa “trabalhamos para viver, não vivemos para trabalhar”.

O custo de vida é moderado, uma propriedade de dois quartos custa em média £ 142.000,00 (170 mil euros) o que é mais acessível do que a maioria dos países europeus.

Japão: o lar da pessoa mais velha do mundo

Podíamos aprender alguma coisa com o Japão e comer um pouco menos e andar um pouco mais, porque eles têm uma das maiores expetativas de vida do mundo. Além das porções menores e dieta rica em proteínas, o povo do Japão também mostra um maior respeito pela sua comida, permitindo tempo para preparar, cozinhar e comer, contrastando com a cultura ocidentalizada de fast food.

O custo de vida é alto no Japão, com uma propriedade de dois quartos a custar £ 391.000 (156.000€) no entanto, a qualidade geralmente é igual ao preço.

O Japão também é conhecido pelo seu transporte público rápido, que produz baixas emissões de carbono e, portanto, o Japão é o 8º país com menor índice de mortes causadas pela poluição. Como o meio de transporte preferido neste país é a caminhada, a atividade diária dos japoneses é suficiente para mantê-los em forma, sem necessidade de ir ao ginásio e os premeia com uma das menores taxas de obesidade do mundo.

Se todos adotássemos esses hábitos saudáveis, talvez pudéssemos viver até os 117 anos como o cidadão japonês Kane Tanaka (a pessoa viva mais velha do mundo).

Reino Unido: 64% dos adultos estão acima do peso

A Grã-Bretanha lidera um dos estilos de vida menos saudáveis em comparação com outros países desenvolvidos, colocando o Reino Unido em 20º lugar no índice de países mais saudáveis.

Preocupantemente, a maioria dos adultos no Reino Unido está acima do peso: 67% dos homens e 60% das mulheres. Os britânicos são mais propensos a serem obesos devido ao alto consumo de alimentos e álcool, bem como à falta de atividade física. Em média, um adulto na Grã-Bretanha consome 9,7 litros de álcool puro por ano, quase um litro acima da média da OCDE.

O Reino Unido também fica em quarto lugar na exposição anual de luz solar de 133 países. De acordo com a fundação nacional do sono, longos períodos de tempo em iluminação artificial podem causar séria privação de sono, o que pode afetar drasticamente a nossa saúde. A vitamina D do sol ajuda a regular a quantidade de cálcio e fosfato no corpo e é vital para manter os nossos ossos, dentes e músculos saudáveis ​​e fortes.

O custo de vida no Reino Unido também é considerado caro, já que um apartamento médio de dois quartos custa £ 254.000 (306.752€). Este ser um dos países mais difíceis para as pessoas se tornarem financeiramente estáveis apenas incentiva o crime e a falta de habitação, o que, em geral, diminui o valor da saúde do país.

EUA: um dos países menos saudáveis do mundo

Os EUA têm uma das mais altas taxas de obesidade, colocando o país em 153º de 166 países no índice de obesidade. Num mundo tão acelerado, a cultura ocidental adaptou-se ao comer alimentos altamente processados, ​​cheios de produtos químicos artificiais, gorduras e açúcares. Este tipo de dieta aumenta o risco de muitos problemas de saúde, como diabetes tipo 2, e também diminuem a expetativa média de vida.

A diferença mais prevalente entre países como Espanha e o Japão para os EUA é a relação com a comida. Muitos dos países mais saudáveis ​​do índice têm um maior respeito pela comida e tratam as refeições como uma oportunidade para criar um ambiente social. Este pensamento contrasta com a natureza acelerada dos EUA, onde compram comida para uma solução rápida – como refeições prontas e fast food.

Ao contrário de Espanha, cujo foco principal é a vida social, os EUA priorizam a vida profissional, o que pode levar a hábitos alimentares pouco saudáveis ​​e à falta de atividade física. São estas diferenças culturais que determinam se um país leva um estilo de vida saudável ou não.

O que têm em comum, no entanto, é uma vida acessível, com uma propriedade média de dois quartos nos EUA a custar £119.000 (142.591€).

Fonte: MONEY

Valência é a cidade mais saudável do mundo

Valência é mais do que uma cidade famosa pela sua paella, é também a cidade mais saudável do mundo. A cidade espanhola está em terceiro lugar no índice de maior expetativa de vida devido a uma série de fatores.

Em primeiro lugar, esta cidade tem o clima ideal, não é muito quente, nem muito seco. Valência também tem muito sol, então é mais fácil absorver a vitamina D necessária para manter os músculos fortes. A brisa do mar ajuda a afastar o excesso de poluição do ar e a dieta também é bem equilibrada. A paella valenciana é uma ótima representação da sua dieta, este prato famoso tem um excelente valor nutricional de produtos frescos, é pobre em gorduras e rico em ômega-3 e proteínas do peixe.

Como muitos dos países mais saudáveis, esta cidade também promove um estilo de vida descontraído. É conhecida pelo seu património musical e cultural e incentiva a interação social. Em vez de serem definidos pelos seus empregos, como muitas outras cidades, os habitantes de Valência têm conexões pessoais e significativas com os seus amigos e familiares, criando uma das comunidades mais saudáveis ​​do mundo.

Em terceiro lugar, das cidades mais saudáveis do mundo está a nossa capital portuguesa, Lisboa. O Porto também tem lugar na lista, estando em 13º lugar na lista das 20 cidades mais saudáveis do mundo.

Edimburgo: a cidade mais bem classificada do Reino Unido

Edimburgo é a única cidade do Reino Unido que conseguiu chegar perto de um lugar no índice. Esta cidade teve boas pontuações em todos os fatores de estilo de vida, classificando-se em 41º – apenas uma posição abaixo do top 40.

Além de ser a cidade mais verde do Reino Unido, a qualidade do ar de Edimburgo também é uma das mais limpas do mundo, ocupando o 37º lugar. Edimburgo orgulha-se de ter mais árvores per capita do que qualquer outra cidade do Reino Unido e prometeu ser uma “cidade de um milhão de árvores” até 2030, o que continuará a reduzir os seus níveis de poluição.

O sistema de saúde também tem uma classificação alta, ficando em 8º lugar no mundo. O povo de Edimburgo é privilegiado, porque todos os cidadãos são elegíveis para assistência médica gratuita, que é considerado um dos melhores serviços de saúde do mundo.

Helsínquia: o ar mais limpo do mundo

A cidade de Helsínquia, na Finlândia, é a 17ª cidade mais saudável do mundo e está milhas à frente das demais quando se trata de proteger o meio ambiente e reduzir a poluição do ar. Os fortes regulamentos ambientais da cidade limitam a quantidade de práticas prejudiciais ao meio ambiente e criam um dos ares mais limpo do mundo. Até 2035, Helsinque prometeu ser neutra em carbono, além de legislar o fim do uso de combustíveis fósseis até 2029 – um grande passo para criar uma pegada de carbono ainda mais verde.

Para atingir esse objetivo, a cidade investe em fontes de energia renováveis ​​e designa reservas florestais como forma de fornecer combustíveis naturais à base de madeira, como energia hidrelétrica e eólica. A cidade também promove o uso de veículos elétricos e têm o segundo melhor sistema de transporte da Europa, o que contribui para reduzir a pegada de carbono e a quantidade de poluição no ar.

Helsínquia também é considerada uma das cidades mais seguras para se viver, com uma taxa de criminalidade quase inexistente. Um relatório afirma que, se perder a carteira na cidade, 11 em cada 12 vezes ela será devolvida.

Zurique: uma das cidades mais seguras do mundo

A taxa de criminalidade é extremamente baixa, colocando Zurique entre as cinco cidades com menor índice de criminalidade do mundo.

O estilo de vida geral da cidade é considerado um dos mais saudáveis ​​do mundo, ocupando o 10º lugar geral no índice. A cidade tem a segunda maior expetativa de vida do mundo, logo a seguir às cidades japonesas, o que pode ser resultado do seu compromisso em reduzir a poluição dos transportes e promover alternativas mais saudáveis.

Esta cidade também está no top 10 da qualidade do ar mais limpa, reforçando o quão saudável Zurique é em todos os níveis.

Os 40 lugares mais saudáveis ​​para se viver no mundo

Fonte: MONEY
Artigo anteriorEstes são os destinos preferidos dos utilizadores do Tripadvisor
Próximo artigoA Singles Travel organiza cruzeiro no mediterrâneo a pensar nos solteiros

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor coloque aqui o seu comentário
Por favor coloque o seu nome aqui