Desde o surgimento da covid-19 que viajar tem-se tornado desafiante. As fronteiras reabrem provisoriamente apenas para fecharem novamente uns dias depois e um visto de entrada que antes era simples de obter, é agora substituído por um processo altamente burocrático.

Ainda assim, de acordo com a CNN, há alguns indícios de esperança para as viagens em 2022. Num artigo publicado esta semana, fazem uma lista dos melhores destinos a não perder em 2022, que vão desde parques nacionais, a ilhas remotas e a locais menos visitados.

Antígua e Barbuda, Caraíbas

A nação das ilhas gêmeas, Antígua e Barbuda, não é apenas abençoada com quilómetros e quilómetros de areias brancas e cor-de-rosa. Antígua é famosa por ter uma praia para cada dia do ano e reivindica a festa de domingo mais longa das Caraíbas.

Barbuda, a menor das duas ilhas, era notoriamente um dos locais de férias favoritos da princesa Diana. O ator Robert De Niro é também co-proprietário de um resort na área com o bilionário australiano James Packer.

O críquete é famoso na ilha. Os tests do Reino Unido, o nome que se dá a uma partida de cinco dias entre duas equipas, serão realizadas em Antígua em 2022 e é um dos eventos mais esperados do ano. A partida-teste oficial entre a Inglaterra e as Índias Ocidentais acontecerá em março no estádio com o nome da lenda do críquete da Antígua, Vivian Richards.

Antígua e Barbuda têm vindo a ganhar reconhecimento pela sua dedicação à sustentabilidade nos últimos anos, graças a uma série de iniciativas verdes, implementadas com sucesso. Os plásticos descartáveis ​​são proibidos e o “corredor verde”, um conjunto de hotéis, resorts e empresas ecologicamente corretos, foi estabelecido na costa sudoeste de Antígua.

Arquipélago dos Bijagós, Guiné-Bissau

Fonte: CNN

Composto por 88 ilhas, das quais apenas 23 são habitadas, este arquipélago situado a cerca de 48 quilómetros da costa da Guiné-Bissau, na África Ocidental, é o único que existe.

As ilhas Bijagós são geridas por uma sociedade matriarcal, onde as mulheres possuem todo o poder. Aqui, as mulheres escolhem os seus maridos, propõem casamento, constroem as suas próprias casas e gerem as suas famílias.

Os poucos turistas que podem visitar a Reserva da Biosfera da UNESCO são recompensados ​​com praias imaculadas, extensos parques naturais e águas azuis muito calmas.

O aglomerado de ilhas, que pode ser acedido por barco, ferry ou aeronave leve, também possui uma abundância extraordinária de vida selvagem, incluindo espécies protegidas ou raras como o crocodilo do Nilo, o golfinho-nariz-de-garrafa comum e o peixe-boi africano, bem como cerca de 500 espécies de pássaros.

A Hurtigruten Expeditions, a empresa que fundou o cruzeiro de expedição em 1896, acrescentou a sua primeira aventura africana à programação de 2022/23, com as Ilhas Bissagos na lista de destinos do roteiro.

Ilha Cabo Bretão, Nova Escócia

Fonte: CNN

Conectada ao continente canadense por uma ponte com um quilômetro de extensão, a Ilha Cabo Bretão, na Nova Escócia, é famosa pelas suas vistas panorâmicas e locais históricos.

Os destaques da ilha incluem Cabot Trail, um atalho panorâmico de duas pistas que serpenteia pelo Cape Breton Highlands National Park, onde colinas verdes exuberantes e penhascos vermelhos enferrujados se erguem sobre praias acidentadas.

Outro dos destaques é a fortaleza de Louisbourg, do século 18, que já foi a capital de uma colônia francesa e hoje é um museu de história viva. Para além disto, há inúmeras ofertas culinárias, que vão desde jantares finos modernos a jantares tradicionais de lagosta.

Por que deve visitar esta ilha agora? Nos últimos anos, o Canadá deu passos importantes para desenvolver e promover o turismo indígena e Cabo Bretão não é exceção. Os visitantes podem mergulhar nas tradições dos Mi’kmaq – um povo das Primeiras Nações que viveu na região marítima oriental do Canadá por mais de 10.000 anos.

Chile

Uma longa e estreita faixa entre o Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes, o Chile é líder mundial em ecoturismo e um paraíso ao ar livre para os mais aventureiros.

No norte do Chile, o Atacama é o lugar certo para visitar. Valle de la Luna apresenta paisagens de outro mundo, formações rochosas e pores do sol coloridos. Por falar em cores, também pode ver flamingos cor-de-rosa vivo na Lagoa Chaxa. Ambos estão localizados na Reserva Nacional Los Flamencos.

Quer algo ainda mais selvagem? Em seguida, siga mais para sul, para a região selvagem da Patagónia. O Parque Nacional Torres del Paine é considerado uma das joias da coroa do sistema de parques do Chile.

A Organização Mundial de Turismo (OMT) nomeou dois lugares chilenos na sua lista das “Melhores Aldeias Turísticas” em 2021, que promove o desenvolvimento sustentável. São Pica, conhecida por suas frutas cítricas e fontes termais, e Puerto Williams, a cidade mais austral do mundo.

Dijon, França

Fonte: CNN

A maior cidade da região de Borgonha-Franche-Comté é uma gloriosa mistura de casas com estrutura de madeira, palácios do século XVIII e uma imponente catedral gótica, mas também é uma das capitais gastronómicas da França.

Em maio de 2022 vai abrir a Cité Internationale de la Gastronomie et du Vin em Dijon – uma renovação de 70.000 metros quadrados de edifícios históricos dos séculos XVI ao XVIII, transformada num complexo inteiramente dedicado à comida e ao vinho franceses.

Nova abertura à parte, há muitos outros motivos para colocar Dijon na sua lista de destinos. Aventure-se nos vinhedos da região de Borgonha – Beaune, que é uma cidade vinícola de primeira linha. Visite o mercado de alimentos Les Halles, projetado por Gustave Eiffel para provar os melhores ingredientes da região. Faça uma degustação de mostarda no La Moutarderie Edmond Fallot, bastante forte depois de 180 anos, e experimente o pão de gengibre de Mulot et Petitjean, feito nesse local desde o século 18.

Comida e bebida à parte, visite o impressionante Musée des Beaux-Arts de Dijon, onde encontrará mais de 130.000 obras de arte, que foram armazenadas no palácio neoclássico dos Duques de Borgonha.

Baía de Disko, Gronelândia

Fonte: CNN

Baleias, icebergs e trenós puxados por cães definem a Baía de Disko, na costa oeste da Gronelândia.

A cidade de Ilulissat, com as suas casas coloridas, é uma ótima base para explorar, até porque é vizinha de Ilulissat Icefjord. Este fiorde foi declarado Património Mundial da UNESCO, em parte por causa do seu esplendor e em parte por causa dos estudos científicos realizados nesse local nos últimos 250 anos, que ajudaram os cientistas a compreender o impacto das mudanças climáticas.

Os enormes icebergs que povoam o Ilulissat Icefjord provêm do glaciar Sermeq Kujalleq. Os passeios de barco locais disponíveis na Baía de Disko oferecem uma oportunidade de maravilhar-se com as cenas de gelo e encorajam os viajantes a pensar porque é que esta região é chamada de “Marco Zero” das mudanças climáticas.

Há também o recém-inaugurado Ilulissat Icefjord Centre para explorar. Esta nova atração visa educar os visitantes sobre a importância do gelo na área da Baía de Disko, bem como defender as histórias do povo Inuit, que viveu da terra e do mar na região por milhares de anos, assim como examinar o impacto crescente da crise climática.

À medida que o turismo cresce na Gronelândia, há vários projetos de aeroportos em andamento, incluindo um novo hub aéreo em Ilulissat. O objetivo é tornar mais fácil para os viajantes internacionais explorar o país nos próximos anos, ao mesmo tempo que dispersa os visitantes pelo país para evitar o excesso de turismo.

Parques Nacionais do Gabão, África Central

Fonte: CNN

A Amazónia é a floresta mais conhecida do mundo, mas a Bacia do Congo, às vezes chamada de “pulmão da África” ​, é a segunda maior floresta tropical do mundo e também um recurso precioso ameaçado pelo desmatamento. Mais de 10% do Gabão, na costa atlântica da África Central, é dedicado aos seus 13 parques nacionais.

Acessível apenas pela linha de comboio Trans-Gabão ou avião particular, Ivindo – o mais recente Património Mundial da UNESCO neste país equatorial – compreende quase 300.000 hectares de parque, atravessado por rios de águas negras. O seu afastamento significa que partes do local ainda precisam de ser exploradas, mas as criaturas que fazem desta a sua casa incluem gorilas, leopardos, mandris e pangolins, bem como o elefante da floresta.

O Parque Nacional do Loango oferece pesca desportiva no estuário e no mar, enquanto Minkébé, com 7.000 metros quadrados, é o maior do país. O Parque Nacional de Pongara tem belas praias intocadas, onde tartarugas-de-couro desovam entre novembro e março e golfinhos e baleias-jubarte podem ser avistados na estação seca entre julho e outubro.

Jordânia

Há alguns anos, a cidade rochosa de Petra, na Jordânia, corria o risco de se tornar vítima do seu próprio sucesso, porque a indústria do turismo ameaçava as suas estruturas delicadas e persuadiu os beduínos locais (tribos árabes) para longe dos seus costumes tradicionais. Depois de muitos anos de excesso de turistas, com o surgimento da pandemia, agora Petra chora por multidões.

Pode visitar a vasta extensão do deserto de Wadi Rum, melhor apreciada com guias beduínos que podem partilhar os seus conhecimentos de como trabalhar em harmonia com a paisagem. Uma viagem paralela para uma flutuação salgada no Mar Morto também vale a pena, não menos importante para observar outro delicado ecossistema sob ataque da vida moderna, desta vez a extração desenfreada de água.

Lahti, Finlândia

Fonte: CNN

A Finlândia é regularmente classificada como o lugar mais feliz do mundo e há muito com o que se alegrar quando se trata da bela cidade à beira do lago de Lahti.

Situado a 100 quilómetros a nordeste de Helsínquia, este destino é ecológico em todos os sentidos. A oitava maior cidade da Finlândia é repleta de belas florestas, parques e reservas com incríveis trilhas para caminhadas.

Lahti também liderou em termos de inovações ambientais, tornando-se a primeira cidade finlandesa a ser nomeada Capital Verde da Europa, depois de abandonar o carvão como fonte de combustível e oferecer aos seus cidadãos viagens gratuitas e comida como recompensa por serem ecologicamente corretos.

Quem visita esta cidade deve experimentar a água da torneira. O inovador sistema de água subterrânea da cidade foi certificado pela UNESCO como “a melhor água potável do mundo” e é usado pela premiada Teerenpeli Brewery & Distillery, com sede em Lahti, a destilaria de uísque mais antiga da Finlândia.

Na primavera de 2022, o novíssimo Museu de Artes Visuais de Lahti, Malva, lançará as suas primeiras exposições, enquanto Lahti sediará o Campeonato Mundial Ironman 70.3 pela primeira vez, em 2023.

Deserto de Munga-Thirri-Simpson, Austrália

Fonte: CNN

O Parque Nacional do Deserto Munga-Thirri-Simpson, da Austrália do Sul, cobre 36.000 quilómetros quadrados e inclui partes do famoso Deserto Simpson, que se estende até ao estado de Queensland e o Território do Norte. Foi declarado parque nacional em novembro de 2021 e combina uma reserva regional existente e um parque de conservação.

Ora aqui está a parte desafiadora: a única maneira de explorar o Parque Nacional do Deserto Munga-Thirri-Simpson é com um veículo com tração nas quatro rodas, necessário para aceder à sua extensa rede de lagos, dunas vermelhas deslumbrantes e pastagens repletas de pássaros. Aqui, as noites são passadas a acampar sob as estrelas.

Os motoristas precisam de encher reservas de combustível, água e comida, bem como peças sobresselentes básicas do veículo e equipamentos de recuperação, para realizar esta viagem. Precisa de um Desert Parks Pass para entrar e acampar no parque. Noutras palavras, a autossuficiência é fundamental.

Outra observação importante a considerar ao planear esta viagem: o parque nacional fecha de 1 de dezembro a 15 de março, quando as temperaturas sobem.

Nápoles, Itália

Nápoles está em crescimento e o centro histórico da cidade pulsa com energia. Hotéis não convencionais estão a abrir portas – como o Atelier Inès, que é parte oficina de joias, parte pousada artística.

Áreas que antes eram consideradas proibidas para turistas estão finalmente a ser vistas sob uma luz diferente. O distrito de Sanità, antes desprezado, agora é o lugar para se estar, os visitantes aglomeram-se nas suas redes de catacumbas antigas.

Há mais a chegar: novos sítios arqueológicos devem ser inaugurados em 2022 que, embora em segredo por enquanto, lançarão uma nova luz sobre a Neápolis grega e romana, como era chamada na época.

Fora da cidade, Pompeia revela ruínas recém-escavadas e novas ideias, como o Pompeii ArteBus, que leva os visitantes por vilas menos conhecidas nas proximidades, de graça.

No mar, a ilha de Procida será a Capital da Cultura da Itália em 2022.

Ollantaytambo, Perú

Fonte: CNN

Uma viagem a um dos pontos turísticos mais procurados do mundo deve ser muito mais do que o destino final e é aí que entra Ollantaytambo.

Esta cidade bem preservada ao longo da rota de Machu Picchu, no Vale Sagrado do Peru, orgulha-se das suas próprias ruínas incas impressionantes e foi recentemente nomeada como uma das “Melhores Aldeias de Turismo da OMT”. A iniciativa reconhece lugares que abraçaram o turismo como meio de promover o desenvolvimento sustentável e salvaguardar as aldeias rurais “junto com as suas paisagens, diversidade natural e cultural e os seus valores e atividades locais.”

Há muito a salvaguardar aqui: uma fortaleza e templo inca que datam do século 15, que se tornou o local de uma rara derrota dos conquistadores espanhóis; uma cidade vibrante que também é um dos melhores exemplos sobreviventes do planeamento urbano inca; os armazéns incas de Pinkuylluna com vista para Ollantaytambo e uma pedreira inca próxima que deu origem a maravilhas da engenharia.

Como Ollanta, como é frequentemente chamada, está a uma altitude mais baixa (2.792 metros) do que o portão de desembarque internacional de Cusco (3.399 metros), também é um lugar melhor para se aclimatar ao ar rarefeito dos Andes.

O turismo no Peru em 2020 caiu apenas 20% em comparação com as chegadas de 2019, mas esses números vão aumentar à medida que o mundo enfrenta a pandemia. 2022 pode ser o ano para planear a viagem boa, longa e sinuosa de uma vida antes que o número de visitantes aumente novamente.

Ilhas Orkney, Reino Unido

Fonte: CNN

Na ponta mais ao norte da Escócia, encontrará as Ilhas Orkney, um arquipélago de tirar o fôlego com penhascos pontilhados de aves marinhas e focas.

Orkney compreende cerca de 70 ilhas, das quais 20 estão desocupadas. O maior, o continente, é o lar de um grupo de monumentos neolíticos protegidos pela UNESCO que datam de há 5.000 anos atrás, incluindo a tumba de Maeshowe e o enigmático círculo ereto, Ring of Brodgar.

Outros destaques incluem a observação de estrelas e uma visita à colorida capela italiana na desabitada Lamb Holm, construída em cabanas de Nissen por prisioneiros de guerra italianos, durante a Segunda Guerra Mundial.

Enquanto isso, a rota de peregrinação do Caminho de São Magnus, batizada em homenagem ao santo padroeiro de Orkney, oferece uma ótima introdução à beleza selvagem das ilhas.

As aeronaves movidas a eletricidade podem tornar-se a principal fonte de transporte para as ilhas, já que o verão de 2021 viu a aeronave Cessna Skymaster, de seis lugares da Ampaire, passar por voos de teste no arquipélago. É um próximo passo para as ilhas Orkney, que são verdes em vários aspetos. O famoso arquipélago dos ventos tem mais de 500 turbinas eólicas geradoras de energia.

Arquipélago de Palau, Oceano Pacífico

Fonte: CNN

A base da economia de Palau é o turismo, mas devido à covid-19, viu-se obrigado a fechar as suas fronteiras. Uma das razões pelas quais Palau conseguiu realizar uma pequena reabertura ao turismo é que a sustentabilidade não é apenas uma prioridade, mas está embutida em tudo o que acontece neste pequeno paraíso.

Todos os visitantes do país devem assinar o Palau Pledge, um compromisso para se comportarem com responsabilidade durante a viagem e fazerem a sua parte para cuidar do meio ambiente, que pode incluir desde não usar sacos de plástico, até usar apenas protetores solares que atendam aos altos padrões do país. A promessa foi escrita por alunos de Palau, outro lembrete de que as decisões que tomamos afetam não apenas o presente, mas também as gerações futuras.

O compromisso com a preservação do meio ambiente faz sentido quando vê a diversidade de paisagens que Palau tem para oferecer. O Lago das Medusas, que esteve fechado a visitas durante vários anos para permitir que a população titular de medusas retornasse a níveis aceitáveis, está novamente aberto.

O único Património Mundial da UNESCO da ilha é a lagoa Rock Islands Southern, uma extensão de mais de 400 ilhas que abrigam alguns dos corais mais raros do mundo, bem como uma variedade de pássaros, peixes e tubarões

Penang, Malásia

Fonte: CNN

A pandemia deixou muitos de nós com saudades de viagens épicas com foco na culinária e Penang está entre as melhores da Ásia.
Esta ilha no mar de Andaman oferece uma grande mistura de pratos tradicionais malaios, chineses e indianos. Há ainda a culinária Baba Nyonya, também conhecida como Peranakan, que incorpora ingredientes regionais e métodos de culinária chinesa e malaia.

Pode encontrar todas estas experiência gastronómicas à venda pelas ruas e em lojas em toda a capital de Penang, George Town, que está repleta de prédios históricos, de antigas mansões inglesas, lojas clássicas chinesas e mesquitas islâmicas.

Porém, há muito mais do que apenas comida e arquitetura para sustentar o apetite por viagens nesta pequena ilha. Em setembro de 2021, o popular Penang Hill foi designado Reserva da Biosfera da UNESCO. Lar do ponto mais alto de Penang, é repleto de excelentes trilhas para caminhadas que se estendem desde o seu pico até aos ​​jardins botânicos, que foram criados em 1884 e servem como repositório da flora e fauna de Penang Hill.

St Eustatius, Holanda

Fonte: CNN

A peça central de “Statia”, como é conhecida pelos habitantes locais, é Quill, um vulcão adormecido cujas encostas proporcionam excelentes caminhadas, bem como vistas panorâmicas deslumbrantes desta pérola de 13 quilómetros quadrados no mar.

Até agora, a maioria dos viajantes de St Eustatius eram mergulhadores ansiosos para explorar os naufrágios e recifes de coral, bem como chegar perto de barracudas e tubarões nas águas intocadas. Isto provavelmente mudará em 2022, com a inauguração de um novo hotel de luxo chamado Golden Rock, o apelido da ilha.

Além disso, é mais fácil chegar aqui do que nunca graças às novas rotas de ferrys que conectam a ilha a Saba, St Maarten e St Kitts.

Tulsa, Oklahoma

Tulsa terá a inauguração do Bob Dylan Center agendada para 10 de maio. O centro abrigará mais de 100.000 tesouros culturais criados e pertencentes a Bob Dylan, ao longo de sete décadas. Cobrindo a sua carreira no folk e no rock, as exibições mostrarão manuscritos originais, gravações inéditas e performances de filmes, fotos e muito mais.

Ama o ar livre? Então este é o lugar certo. Tulsa está situada num terreno suavemente ondulado na borda das Grandes Planícies a oeste e as Montanhas Ozark a leste. Dentro da cidade estão a Turkey Mountain Urban Wilderness Area, com trilhas acidentadas e declives acentuados para fornecer uma caminhada completa e River Parks com quilómetros de trilhas pavimentadas que seguem o rio Arkansas.

Valência, Espanha

Fonte: CNN

Este ano, dê um descanso às ruas agitadas de Barcelona e siga algumas horas a sul ao longo da costa sudeste da Espanha, até à cidade portuária de Valência, a Capital Mundial do Design em 2022.

Com uma população de cerca de 800.000 habitantes, é a terceira maior cidade da Espanha e pretende ser um destino neutro em emissões até 2025.

A Cidade das Artes e das Ciências, projetada pelo arquiteto valenciano Santiago Calatrava, é um complexo futurista com um planetário, um museu de ciências e o maior aquário da Europa.

Valência é o berço da paella e aqui encontrará o icónico prato espanhol à venda em todos os lugares. Para refeições requintadas, o restaurante homônimo do chef local Ricard Camarena foi premiado com duas estrelas Michelin, uma das quais é uma estrela verde para a sustentabilidade, o primeiro restaurante na cidade a receber a homenagem.

Se visitar em março, terá a chance de experimentar o Festival Las Fallas que é uma festa de rua anual, de cinco dias, envolvendo fogos de artifício e a queima de esculturas de madeira e papelão.

Parque Nacional Yellowstone, EUA

Fonte: CNN

O primeiro parque nacional do mundo tem maravilhas e curiosidades suficientes para garantir muitas visitas. Em 2022, Yellowstone marcará 150 anos como parque nacional. Originalmente programado para ser um parque estadual, Yellowstone ganhou o seu estatuto de parque nacional em 1872 porque a terra que abrangia fazia parte de três territórios. O parque de hoje fica 96% em Wyoming, 3% em Montana e 1% em Idaho – abrangendo 8,991 km.

Adicione encontros com animais selvagens e terá um incrível número de visitantes para agradar ao público, mais de um milhão de pessoas visitaram o parque em julho de 2021, o mês mais movimentado da história do parque.

Chegar às principais atrações naturais no início da manhã ou no final da tarde e visitar na primavera e no outono pode significar encontrar menos pessoas.

O parque planeia comemorar os seus 150 anos com uma série de atividades, concentradas de março a agosto, que destacam as conexões tribais da terra, examinam sucessos e desafios dos seus ecossistemas e olham para o futuro. A ênfase na administração e na visita responsável incentivará os visitantes a fazerem a sua parte para ajudar a proteger o parque para as gerações futuras.

Artigo anteriorHotéis Pestana lançam campanha para planear já as suas férias
Próximo artigo“12 Meses, 12 Pratos, 12 Euros”: iniciativa dos hotéis Vila Galé destaca alguns dos mais famosos pratos portugueses

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor coloque aqui o seu comentário
Por favor coloque o seu nome aqui