Monte De Bemposta, Alentejo

São antigas quintas com hortas e galinhas, oliveiras e sobreiros que foram transformados em hotéis sofisticados com piscinas e spas, yoga e restaurantes requintados. Tudo ecológico, este é o luxo dos dias de hoje.

A revista Time escolheu o Alentejo como um dos melhores lugares do mundo em 2022, depois do The New York Times o ter proclamado um dos 52 destinos sustentáveis do ano. Nos últimos anos, a pandemia e a procura de experiências ao ar livre duplicou o seu atractivo. E poucos alojamentos encarnam os valores do Alentejo, passado e presente, como as antigas quintas convertidas em hotéis idílicos. Há toda uma nova cultura escondida em enclaves rústicos mas com interiores de revistas e toques de luxo. Como disse o influente hoteleiro Claus Sendlinger, fundador dos Design Hotels: “a quinta é o campo de golfe do século XXI”.

Aqui estão alguns exemplos.

Quinta do Craveiral

Quinta do Craveiral

O Alentejo está a tornar-se um dos locais mais ecológicos da Europa. Em parte graças a projetos como a Quinta do Craveiral, uma quinta de cravos abandonada a 12 quilómetros da cidade costeira de Zambujeira do Mar que foi convertida num hotel de agroturismo com 38 cabanas brancas que iguais às das aldeias da região portuguesa. Passarelas de madeira ligam as diferentes partes da quinta, tais como o spa, o edifício principal com área de recepção, bar e restaurante, e o Centro de Interpretação da Natureza.

Há também 7.000 metros quadrados de pomares e mais de mil árvores de fruto que alimentam a cozinha do hotel. Não há falta de galinhas, ovelhas, cabras e burros? Em Craveiral pode andar a cavalo, ter aulas de surf, andar de bicicleta de quadriciclo e inscrever-se num workshop de yoga. E, já agora, pode experimentar a sua própria cidra ou cerveja artesanal.

Monte de Bemposta

Monte de Bemposta

Recentemente inaugurada, esta quinta junto ao mar no Alentejo esconde dez cabanas alentejanas para quatro pessoas, assim como três estúdios e uma maravilhosa piscina. Os hóspedes encontrarão o trio essencial da quinta: animais (alpacas, lhamas, burros e cavalos), pomar e jardim, mas também campos de ténis de paddle. A propósito, situa-se junto a Porto Covo, a aldeia piscatória com uma das mais belas praças do país. As praias do Queimado e da Ilha do Pessegueiro, populares entre os surfistas e mergulhadores, estão também a uma curta distância a pé. Ciclismo e equitação também estão disponíveis.

Herdade da Matinha

Herdade da Matinha

Localizada junto ao Cercal do Alentejo, a 15 quilómetros das praias, esta quinta foi um terreno sobre-explorado sem atração turística nos anos 90 até à chegada de Alfredo Moreira da Silva, que plantou 65.000 sobreiros, pinheiros e morangueiros, todos endémicos da zona. A natureza tratou do resto.

Hoje, não só o ecossistema recuperou, como muitos dos legumes que são servidos neste hotel com 35 quartos em quatro edifícios, uma piscina e mil lugares para desfrutar de um piquenique ou ir dar um passeio ou andar de bicicleta. Não é por nada que estamos ao lado da Rota Vicentina, a rede de trilhos no sudoeste de Portugal, que totaliza 750 km e passa por alguns dos lugares mais bonitos da região.

Octant Évora

A vida no campo não é estranha à vida moderna, como prova este luxuoso hotel agrícola escondido em 11 hectares de natureza quase intocada dentro da Herdade do Perdiganito, onde se passam dias entre caminhadas, provas de vinhos e comida biológica, uma horta educacional e o relaxamento oferecido pelo spa (para toda a família) ou o banho em algumas das suas cinco piscinas (duas para famílias e três apenas para adultos). Localizado no coração do Alentejo, o Octant oferece uma variedade de formas de explorar a paisagem, quer se trate de uma expedição fotográfica ou de um passeio de balão de ar quente. E à noite, que tal uma aula magistral no céu?

São Lourenço do Barrocal

São Lourenço do Barrocal

Está na mesma família há mais de 200 anos, embora tenha sido José António Uva, a oitava geração, que transformou esta terra de sobreiros antigos numa propriedade próspera e num hotel único que funde história e ecologia. Situada nos arredores de Monsaraz, São Lourenço do Barrocal tem a sua própria vinha, o seu próprio rebanho de vacas de raça, cujas origens se situam nas nativas alentejanas, e um garanhão de puro-sangue lusitano. A ligação com a natureza continua nos vários restaurantes de quinta para mesa, numa loja de artesanato local e num spa de Susanne Kaufmann.

Artigo anteriorOs 16 melhores Airbnbs em Portugal, segundo a Condé Nast Traveller
Próximo artigoO fenómeno Braco regressa a Lisboa para o Festival de Bem-Estar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor coloque aqui o seu comentário
Por favor coloque o seu nome aqui