A empresa Ocean Builders, sediada no Panamá, está a construir casas flutuantes em formato de cápsula, que ficarão 3 metros acima do nível do mar. As cápsulas vão custar cerca de 295 mil dólares (296,85 mil euros) mas podem ter ‘upgrades’ e custar até 1,5 milhões de dólares (1,51 milhões de euros).

Concebidas pelo arquiteto holandês Koen Olthuis e pela sua equipa do Waterstudio, os três modelos disponíveis incluem o modelo emblemático SeaPod, construído para a vida aquática, o GreenPod, concebido para uso terrestre, e o EcoPod, uma opção ecológica e economicamente amigável.

GreenPod

O Seapod foi conceptualizado por Rüdiger Koch, chefe de engenharia da Ocean Builders, juntamente com o chefe executivo, Grant Romundt, como uma solução para a falta de espaço em destinos de praia populares.

A Ocean Builders afirma que a sua missão é desenvolver tecnologia que torne os oceanos num “paraíso eco-sustentável“. A empresa sublinha que as cápsulas atuam como “dispositivos de agregação de peixe, porque sempre que se põe algo na água que faz sombra, atrai vida marinha”. Além disso, o crescimento dos corais após vários anos pode criar um “ecossistema subaquático próspero“.

As cápsulas têm 73 metros quadrados de espaço de habitação, incluindo um quarto principal, sala, cozinha e casa de banho, distribuídos por três níveis e meio. Com espaço para duas pessoas, a unidade utiliza tubos de aço cheios de ar para flutuar 2,2 metros sobre as ondas, e dispõe de 53 metros quadrados de janelas panorâmicas e vistas de 360 graus sobre o mar.

Grant Romundt, o chefe executivo da Ocean Builders, disse à CNN Travel que tinha desenhado uma casa que flutua na água “que dá ao comprador a experiência de viver em terra, mas ainda mais”. Romundt espera que as ‘pods’ permitam aos residentes viver na água sem ter de fazer sacrifícios quando se trata dos “luxos da vida moderna“. “Normalmente quando se vive na água, é num barco, que tem uma situação de vida que é inaceitável para a maioria das pessoas”, diz Romundt à CNN Travel.

As cápsulas vão ser equipadas com tecnologia de ponta, juntamente com aplicações personalizáveis que adaptem o design e a funcionalidade para se adequarem aos que se encontra no interior. “Gosto de pensar nisso como, em vez de ter um telefone como assistente digital, a sua casa torna-se de facto a sua assistente, e pode usá-la para otimizar a sua vida”, defendeu Romundt

“A maioria das pessoas passa o ano inteiro a sonhar com as suas férias de duas semanas onde vão para uma ilha tropical, passear, relaxar e regenerar e restaurar-se. Então, porque não viver assim durante todo o ano? Atualmente é tão fácil trabalhar remotamente agora”, refere o chefe executivo.

Mas e os aspetos práticos como fazer compras de supermercado? De acordo com Romundt, drones de entrega personalizados devem ser utilizados para entregar artigos como comida e medicamentos, bem como “artigos mais pequenos do dia-a-dia”. Para entregas maiores, existe uma embarcação autónoma separada, que funcionará também como um barco de reciclagem oceânica, recolhendo lixo e detritos a fim de manter limpa a área circundante.

Artigo anteriorCrianças até aos 11 anos voam grátis para a Madeira com a TAP entre 1 de outubro e 15 de novembro
Próximo artigoHealing Summit regressa ao Pine Cliffs Resort com o tema “A Cura de Todas as Coisas”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor coloque aqui o seu comentário
Por favor coloque o seu nome aqui