Paraty, Brasil

O Brasil conta, atualmente, com 22 bens inscritos na lista do Património Mundial da UNESCO: 14 culturais, 1 misto e 7 naturais. O Património Cultural Mundial é composto por monumentos, grupos de edifícios ou locais que tenham um valor histórico, estético, arqueológico, etnológico ou antropológico universal. O Património Natural Mundial engloba formações físicas, biológicas e geológicas excecionais. A Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo convida a conhecer alguns dos locais no Brasil considerados Património Mundial pela UNESCO.

Cidade Histórica de Ouro Preto, Minas Gerais

Fundada no final do século XVII, a cidade de Ouro Preto foi o ponto central da corrida do ouro dos anos áureos da mineração no Brasil. A influência da cidade diminuiu com o esgotamento das minas, mas muitas igrejas, pontes e chafarizes permaneceram como testemunhos do seu passado de prosperidade e do talento excecional do escultor barroco, Aleijadinho.

A cidade conta com o maior conjunto de arquitetura barroca do Brasil. Foi uma cidade construída por artistas e escravos, inspirados nos modelos europeus e criaram um estilo nacional diferenciado. No final do século XVIII, com o fim da atividade mineira, a cidade mudou de centro económico para sede administrativa do governo.

Como chegar:

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte recebe voos nacionais e internacionais diariamente. A capital mineira é a localidade mais próxima de Ouro Preto. De lá, é possível apanhar um autocarro, táxi ou outro tipo de transporte terrestre até a cidade.

Parque Nacional Serra da Capivara, São Raimundo Nonato, Piauí

Com uma área de aproximadamente 130 mil hectares, o Parque Nacional Serra da Capivara foi criado em 1979 para preservar vestígios arqueológicos da mais remota presença do homem na América do Sul. A sua demarcação foi concluída em 1990 e o parque é subordinado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Muitos dos numerosos abrigos rochosos no Parque Nacional da Serra da Capivara são decorados com pinturas rupestres, algumas com mais de 25 mil anos. Esse conjunto é um testemunho expressivo de uma das ocupações humanas mais antigas da América Latina.

Em 1993, o Parque passou a constar do Livro de Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico, do Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Brasil. Na área tombada foram localizados cerca de 400 sítios arqueológicos. A maioria deles contém painéis de pinturas e gravuras rupestres de grande valor estético e arqueológico. A área faz parte de um dos 63 parques nacionais brasileiros e está entre as dez que protege a caatinga, o único bioma exclusivamente do Brasil, sendo constituída de quase 40% da caatinga protegida no país.

Como chegar:

O Aeroporto de Petrolina, a 403 km é o mais próximo da Serra da Capivara, onde pode alugar um carro ou apanhar um autocarro.

Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre a montanha e o mar

O Rio de Janeiro é um exemplo excecional de um cenário urbano que compreende também os elementos naturais fundamentais que moldaram e inspiraram o desenvolvimento da cidade: desde as montanhas do Parque Nacional da Tijuca até o mar, incluindo o Jardim Botânico, as Montanhas do Corcovado, com a estátua do Cristo Redentor e os morros ao redor da Baía de Guanabara, que incluem as amplas paisagens ao longo da Praia de Copacabana.

Entre as atrações mais famosas da cidade estão o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor e o Parque Nacional da Tijuca. O Pão de Açúcar é um teleférico que fica a 396 metros do nível do mar e liga o Morro da Urca ao Morro do Pão de Açúcar. Foi o primeiro teleférico do Brasil e o terceiro no mundo. De braços abertos sobre a Guanabara, o Cristo Redentor fica no alto do morro do Corcovado e é a maior e mais famosa escultura Art Déco do mundo. Já o Parque Nacional da Tijuca é um passeio imperdível para aqueles que desejam um contacto mais próximo com a natureza. É uma das maiores florestas urbanas do planeta, formada por montanhas, grutas, cascatas e trilhos. Para os mais aventureiros, é possível praticar escalada, parapente e outras atividades.

Como chegar:

O Rio de Janeiro é uma das principais portas de entrada para turistas internacionais que chegam ao Brasil e conta com voos diretos vindos de todas as capitais europeias.

Paraty e Ilha Grande

Unsplash/Guilherme Gabrielli

Fundada em 1667, a 232 km da cidade do Rio de Janeiro, Paraty é um exemplo de preservação e riqueza da arquitetura colonial e seu centro histórico foi destacado pelo Iphan.

Paraty é casa de uma diversidade impressionante de espécies, algumas das quais estão ameaçadas. No final do século XVII, Paraty foi o ponto final do Caminho do Ouro, a rota de envio do ouro para a Europa. O porto da cidade serviu como ponto de entrada de ferramentas e escravos africanos trazidos para trabalhar nas minas. Foi construído um sistema de defesa para proteger a riqueza do porto e da cidade. O centro histórico de Paraty manteve o seu projeto urbanístico do século XVIII e grande parte de sua arquitetura colonial, que data do século XVIII e início do século XIX.

A produção de cachaça na região é uma tradição em Paraty e existem vários alambiques artesanais, alguns abertos para visitas. A região também conta com belas praias.

Como chegar:

O aeroporto internacional mais próximo de Paraty é o do Rio de Janeiro. É possível apanhar um autocarro ou outro transporte terrestre no Rio de Janeiro para ir para Paraty.

Artigo anterior“Vinhos do Alentejo em Lisboa” regressa em grande ao CCB com 450 vinhos em prova
Próximo artigoChegou o outono e com ele chega, como habitual, a nova carta do Local Your Healthy Kitchen

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor coloque aqui o seu comentário
Por favor coloque o seu nome aqui